Campanha de sindicalização “Juventude trabalhadora vai à luta sindicalizada!”

Foi dado o pontapé inicial na campanha de sindicalização “Juventude trabalhadora vai à luta sindicalizada!”, promovida pela Corrente Sindical Unidade Classista (UC) em parceria com a União da Juventude Comunista (UJC).

Com ela, a proposta é estimular a juventude trabalhadora a se aproximar, conhecer e se inserir na luta sindical, impulsionando a organização e mobilização da classe trabalhadora frente aos ataques aos nossos direitos.

E por que iniciar uma campanha de sindicalização?

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2012 apontam que, dentre toda a população assalariada adulta no Brasil, 18,1% é filiada a algum sindicato. Trata-se da menor taxa registrada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desde 1988. Contudo, se considerarmos o total da população ocupada adulta, a taxa foi de 17,2% em 2012, a mesma registrada em 1988, importante período para o sindicalismo brasileiro.

Portanto, ainda que a proporção de sindicalizados no Brasil, na atualidade, seja muito próxima ao que era no final dos anos 1980, quando a luta sindical protagonizou o fim da ditadura militar e conquistas histórias para o conjunto dos trabalhadores (expressas na Constituição de 1988), ser filiado a um sindicato não é o mesmo que participar efetivamente de sua vida política.

O que propomos com essa campanha é que a juventude se aproprie das entidades sindicais, que se aproxime delas e participe de seu cotidiano; que frequente assembleias e reuniões convocadas pelo sindicato, que conheça a sua atuação e que, inclusive, se oponha à direção, se ela não representar os interesses de sua categoria e dos(as) trabalhadores(as) em geral.

Mas, hoje… A luta sindical e os sindicatos ainda são importantes?

A UC e a UJC compreendem que o sindicato foi e ainda é um importante instrumento de luta dos trabalhadores e trabalhadoras na defesa de direitos já conquistados – e que vez ou outra são ameaçados – e no avanço rumo a novas conquistas.

A luta da classe trabalhadora através de sindicatos viabilizou conquistas importantíssimas ao longo de toda a história da sociedade capitalista, forçando patrões a recuarem na sua gana por lucro a qualquer custo. No século XIX eram comuns jornadas de trabalho de 12, 14 e até 18 horas diárias, inclusive entre crianças, em condições degradantes, até que, através da organização sindical, foi possível transformar essa realidade.

Hoje, encontramos exemplos diários da relevância da luta sindical, que ainda se apresenta como um importante instrumento de organização e mobilização da classe trabalhadora. Obtenção de maiores salários e ampliação de direitos trabalhistas; conquista de planos de cargos e carreira que possibilitem a melhoria dos salários ao longo do tempo; melhoria das condições de trabalho; resistência à imposição de mudanças no dia-a-dia de trabalho que afetam a saúde do(a) trabalhador(a); e mesmo resistência à retirada de direitos são alguns desses exemplos, que demonstram a necessidade da juventude trabalhadora ocupar e participar dos espaços sindicais.

Por isso, nós, jovens trabalhadores e trabalhadoras, precisamos ocupar nossos sindicatos e fortalecê-los, em especial no cenário atual de retirada de direitos sociais e trabalhistas, nos marcos do ajuste fiscal. Vamos enfrentar e rebater esses ataques! “Juventude trabalhadora vai à luta sindicalizada!”

Coordenação Nacional Unidade Classista

Coordenação Nacional União da Juventude Comunista

Campanha de sindicalização “Juventude trabalhadora vai à luta sindicalizada!”