GREVE GERAL DE 14 DE JUNHO: BREVE BALANÇO E ORIENTAÇÃO PARA A LUTA!

Após meses de organização, realizamos mais um dia de greves, o dia 14/06, foi mais um passo importante para a luta contra a reforma da previdência e para a reorganização da classe trabalhadora. Um dia antes, o relator do projeto da reforma apresentou seu parecer à comissão especial da câmara dos deputados, com alterações no texto, retirando parte do ataque, alguns setores do movimento sindical, parecem ter se contentado com isso e não participaram como deveriam das lutas no dia 14/06.

É certo que as alterações no relatório são fruto da pressão realizada de diversas formas sobre os deputados, principalmente com o anúncio da greve geral e com as greves e manifestações de 15 e 30/05. Porém, as mudanças são apenas e tão somente vitórias parciais, pois observamos que a espinha dorsal do projeto permanece intacta, e que o nefasto sistema de capitalização retirado da proposta deve retornar com força nos debates do plenário.

O dia 14/06 foi realmente importante, mas só aconteceu porque os setores mais avançados da classe decidiram mantê-lo, a despeito do recuo de outros. Trabalhadores da educação, servidores públicos, bancários, metalúrgicos, metroviários e petroleiros protagonizaram a greve geral. A maioria das greves nestes setores, foi inclusive realizada sem a necessidade de piquetes, outro destaque positivo foi a participação de milhares de trabalhadores e estudantes que novamente foram às ruas em mais de trezentas cidades para lutar contra a reforma da previdência, em defesa da educação, contra a privatização das refinarias, contra a entrega das riquezas do pré-sal e contra tudo o que representa o nefasto governo de Jair Bolsonaro.

Por outro lado, tivemos baixíssima participação dos demais setores da classe trabalhadora, que por diversos motivos, incluindo a criminalização do setor de transportes rodoviários por meio de liminares, não participaram efetivamente da greve. Para reverter tal quadro para a próxima batalha, reafirmamos que não há como avançar, sem ações bem planejadas, que extrapolem a mera intervenção das direções sindicais junto às bases, pois no caso da maioria delas este movimento significa um retorno ao lugar de onde saíram há muito tempo.

Mais do que nunca é necessário intensificar os esforços na construção do FÓRUM SINDICAL, POPULAR E DE JUVENTUDE, dos FÓRUNS DE LUTA EM DEFESA DAS APOSENTADORIAS, das FRENTES SINDICAIS CLASSISTAS e dos TERRITÓRIOS SEM MEDO, pois a partir destes espaços, organizamos e impulsionamos ações de formação e mobilização da classe.

A greve geral de 14/06, foi sem dúvida um passo importante na luta para barrar a reforma da previdência, mas ainda ficou aquém de nossas necessidades, a reforma continua tramitando, e para barrá-la, precisamos organizar ainda melhor a próxima greve e a classe!

Avante camaradas!
Construir a Greve Geral e Reorganizar a Classe Trabalhadora!
Unidade Classista, futuro socialista!

GREVE GERAL DE 14 DE JUNHO: BREVE BALANÇO E ORIENTAÇÃO PARA A LUTA!